O dia de hoje, 21 de Setembro, é considerado o Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, por isso, neste post, resolvemos trazer um conteúdo sobre Pilates para deficientes visuais.

Este é um tema super relevante e, para falar sobre isso, conversamos com a profissional Luana Antunes, proprietária do Studio Pilates Luana Antunes (Orleans – SC) que atende alunos com deficiência visual em seu estúdio. Confira!

O surgimento desta data

Primeiramente, no ano de 2005, no Brasil, o decreto de lei Nº 11.133 começou a vigorar, instituindo o dia 21 de Setembro como sendo o dia nacional que simboliza esta luta.

O objetivo principal dessa ação é de conscientizar todos acerca da importância de incluir as pessoas com deficiência na sociedade, combater preconceitos e a falta de acessibilidade destas pessoas no convívio social.

A data, entretanto, condiz com o início da primavera no Hemisfério Sul e foi escolhida devido ao simbolismo da estação, onde a natureza cresce e floresce.

Pilates para deficientes visuais

Luana Antunes Carara Crozetta é formada em Educação Física pela UNISUL (2008) e é proprietária do Studio Pilates Luana Antunes, localizado na cidade de Orleans – SC, onde trabalha há quase 4 anos. Realizou cursos de formação em Pilates com a Equipe Ivana Henn e Voll Pilates. Atualmente é especializada em pilates tradicional e solo, atendendo gestante, idosos, crianças e deficientes visuais.

Hoje a profissional compartilha conosco como é essa experiência enriquecedora de dar aulas de pilates para deficientes visuais!

Pedimos que ela nos contasse um pouco sobre os benefícios e as principais mudanças que são percebidas nos alunos com deficiência visual, quando praticam o método. Ela nos conta:

“São diversos os benefícios do Pilates para deficientes visuais! O principal é melhorar a locomoção, através da melhora da musculatura.
Trabalhar a questão do equilíbrio também é muito importante pois, por não enxergarem, costumam ter mais desequilíbrios, mesmo com o uso de bengala ou cão guia.
Além disso, conseguimos trocar a tensão muscular por relaxamento, pois o deficiente visual tende a ter a musculatura bastante tensionada.”

O primeiro contato com um aluno deficiente visual

Ao questionarmos sobre como foi seu primeiro contato com um aluno com deficiência visual, Luana responde:

“A princípio fiquei com medo de dar aula, pois é uma experiência nova. Apesar de ele [o aluno] fazer de tudo, ele também tem suas limitações e eu tive que descobrir quais eram essas barreiras além da deficiência visual.”

Ela afirma também que normalmente costuma demonstram visualmente os exercícios para seus alunos. Para aqueles com deficiência visual foi necessário aprender como dar o comando de voz corretamente, de forma que o aluno deficiente visual compreendesse o exercício por completo, antes de executá-lo.

Lesões e cuidados no Pilates para deficientes visuais

Luana afirma também que existem alguns tipos de lesões que são mais comuns nestes pacientes. Por não terem a visão, utilizam a audição e o corpo para se locomover e isso, consequentemente, exige mais da musculatura.

De acordo com a profissional, também é preciso tomar muito cuidado com exercícios avançados nas aulas de Pilates para deficientes visuais, pois há o risco real de queda. A aula deve ser individual e o instrutor precisa estar sempre ao lado, acompanhando todos os movimentos do aluno.

Exercícios de equilíbrio, por exemplo, deve ser trabalhado, porém com cuidado redobrado para não haver acidentes.

Medos dos alunos e adequações do espaço

Luana ainda identifica alguns receios que estes alunos têm, ao inciar no Pilates:

“Eles têm medo de não conseguir fazer o exercício. É um ambiente novo para eles, que vai exigir mais de suas capacidades físicas e mentais, então existe principalmente a insegurança.”

Além do mais, para atender à este público, é fundamental tomar os seguintes cuidados em relação ao espaço físico:

“O estúdio tem que ter fácil acesso. Não pode ter acessório caídos no chão, para evitar tropeços. No mais, é possível ir adaptando os exercícios nos equipamentos conforme a evolução dos alunos.”

Preparo dos instrutores

Quanto aos instrutores, é essencial que saibam respeitar os princípios do pilates, falar com o aluno de forma clara e objetiva o que deseja, buscar guiá-lo e estar sempre atento durante a execução dos exercícios, acompanhando-o em todo o momento.

O instrutor deve saber de todas as limitações do aluno para poder ministrar as aulas com sucesso.

Preparação das aulas de Pilates para deficientes visuais

Questionamos à profissional sobre como é feita a preparação das aulas para alunos com deficiência visual e ela nos respondeu:

“Eu procuro fazer como se eu não enxergasse, vejo onde eu posso colocar o aluno sem muita dificuldade para ele.
Faço muito alongamento e uso acessórios, que são de muita utilidade nessas aulas. Só com o elástico, por exemplo, é possível realizar diversos exercícios.”

Luana Antunes também nos conta que os exercícios de Pilates para deficientes visuais podem ser feitos em todos os aparelhos, embora ela prefira o Cadillac. De certa forma, por ser maior e mais robusto, o aluno consegue executar a atividade deitado, sentado ou em pé, sem muita dificuldade e a estrutura ainda serve de apoio, caso necessário.

Um ensinamento

A profissional ainda afirma que estes alunos têm muito a ensinar!

“Eles têm uma visão diferente da vida, os braços e as pernas são seus olhos e a força de vontade deles é enorme. Muitos alunos de 20 e 30 anos, em perfeitas condições físicas e mentais, vem para a aula reclamando de preguiça. Já eles vêm com vontade, felizes em estar fazendo algo. É uma lição de vida!”

Caso queira acompanhar a profissional nas redes sociais e saber mais sobre seu trabalho, acesse: Instagram ou Facebook!

Leia mais:

Pilates para idosos: Um nicho que não deve ser ignorado

Pilates Kids: Tudo o que você precisa saber para trabalhar com a modalidade em seu studio

Pilates para mulheres: Por que abrir um studio exclusivo para elas?

Newsletter

Receba nossas novidades

Cadastre-se e receba em seu e-mail as atualizações da Kauffer.